Enquanto isso, na Comissão de Justiça…

Enquanto o trouxa gasta energia dando trela pro ativismo gay, o PT toma posse do ordenamento jurídico.

No dia 29 de março abri este blog para dizer:

“Não sei se alguém já se deu conta de que o José Genoíno assumiu esses dias uma comissão de justiça.

Também não sei se alguém já se deu conta de que este cargo lhe dá a prerrogativa de intervir em coisas bem mais interessantes, egoisticamente, do que casamento gay. O mensaleiro pode, numa quarta-feira em que meio mundo esteja ocupado em debater o cu alheio, mudar o conceito de “anistia”. Não é de se esperar que ele não use a seu favor algum tipo de perdão judicial para reclassificar seus crimes. Em resumo: o sujeito vira amigo do Fidel, planeja matanças, toma o poder e finaliza seus dias roubando o mesmo povo que lhe serviu de desculpa pra errar. Pelo nosso turno, assistimos passivamente a articulação de seu poder porque estamos horrorizados demais com os inimigos dele citando a Bíblia.”

Hoje, eu abro o JB Online e vejo o câncer se alastrando pelo corpo jurídico sob o codinome PEC 33:

“A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou nesta quarta-feira a admissibilidade da proposta de emenda à Constituição (PEC) que condiciona o efeito vinculante de súmulas aprovadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ao aval do Poder Legislativo e submete ao Congresso Nacional a decisão sobre a inconstitucionalidade de leis.”

É preciso dizer que essa PEC foi idealizada pelo PT?

E é claro que não foi o próprio Genoíno quem propôs. A coisa foi lavrada por um político bem menos expressivo, um idiota qualquer do PT piauiense (Nazareno Fonteles) cuja relevância 99% dos brasileiros simplesmente ignora.

Sim, esse câncer é de difícil diagnóstico. Seu alastramento se dá por meio de estratagemas retóricos e militantes chinfrins pulverizados por todos os cantos do país. De repente, quando nos ocupamos de conter o avanço por um lado mais óbvio e manifesto, pela próstata surge um silencioso cancro que nos encalacra num xeque-mate insuspeito. Causa Mortis: o Poder Judiciário foi tomado de assalto pelo Poder Legislativo. Isto é, um eufemismo de terminologia técnica – na verdade, o judiciário está minado por um partido, e só um milagre pode desalienar o povo que foi absorvido pelos ataques histéricos do ativismo gay, do Marcos Feliciano e de quem quer mais que continue investindo no lado menos rude das nossas doenças sociais.

Agora acompanhe no replay: a matéria do JB enfatizou somente as súmulas vinculantes. Uma armadilha lógica faz o discurso do deputado piauiense parece coerente. Mas nada, além do finalzinho do primeiro parágrafo, falou a respeito da mais gritante das propostas da PEC 33: submeter à aprovação do Congresso toda e qualquer decisão que paire sobre inconstitucionalidade de lei.

Durex Fundawear: a 3ª Revolução Sexual

Depois da pílula anticoncepcional e do bate-papo da UOL, vem aí o Durex Fundawear, a nova tecnologia que vai revolucionar a relação sexual.

Casais separados pela distância geográfica são os alvos do marketing a priori.

Contudo, já no curto prazo vislumbro traições a distância e michês virtuais caríssimos com panicats desempregadas.

O pessoal da ficção científica pode se vangloriar: já é possível ter e dar prazer prescindindo do tato. É questão de tempo um maluco implantar uma inseminação portátil embaixo dessa calcinha.

Passaremos a uma era de relações conjugais mais esquisitas que os filmes do David Lynch, vai ter nego casando e enviuvando de desconhecido(s), pode escrever.

Ativistas do FEMEN vão descobrir Fundawears no Vaticano e o celibato vai ser questionado pela bilionésima vez.

E nessa trilha vai nascer a rede social que vai substituir o feicebuqui.

Mas, só pra reforçar: vislumbro traições a distância e michês virtuais caríssimos com panicats desempregadas.

PRAGMATISMO POLÍTICO – mais um lugar onde não se informar

pragmatismo_politico_2
Link da matéria: http://migre.me/ebesM (esse “Aplausos, de pé, para Galloway.” atacou minha úlcera)

Msg não aprovada ontem. Já rolou post sobre esse vídeo por aqui num post de 14 de março – mas não tinha visto isso linkado num portal grande como o Pragmatismo Político, tinha visto só no feice e o colei aqui com meus comentários. O link continua rolando pelo Pragmatismo, enviei uma mensagem pra eles que, além de uns palavrões (que eu não tenho vergonha nenhuma de proferir pra qualificar esses imbecis), contém alguns esclarecimentos sobre o assunto. É claro que a mensagem não foi aprovada, portanto, ei-la (com acréscimos):

___________________________

Esse pessoal do Pragmatismo Político é mesmo um bando de filho da puta. Que tipo de joguinho é esse? Vocês são chavistas, seus animais? Quem tá pagando vocês: o PT ou as FARC? Cobriram direitinho o Foro de SP em Guadalajara esse ano? Não? Vocês são uns comunistas de esquina, vocês fazem um trabalhinho imundo. Ainda têm a cara de pau de se intitularem “pragmáticos”. Se deem o respeito, seus merdas, não enganem seus leitores. Esse Galloway aí é um globalista da linha fabiana. Aliás, foi na Inglaterra de H. G. Wells que essa bosta floresceu. É por isso, com certeza, que o Galloway rompeu com o Partido Trabalhista, depois que eles se assumiram thatcheristas e limaram as políticas de avacalhação no orçamento do código de conduta deles.

Aliás, dizer que o Galloway foi “expulso por se opor à Guerra do Iraque” é um eufemismo. Ele deve ter sido expulso na bicuda. O Partido Trabalhista inglês não tem mais lugar pra comunista. Depois que vocês emporcalharam tudo, o desemprego ficou incontrolável, e a rainha teve que acordar às pressas a dona Thatcher pra apagar o incêndio, não deu mais. Se não fosse pela velha, se dependesse tudo do seu Galloway e dos mauricinhos do show business, a Inglaterra estaria hoje fodida junto com o bloco.

Agora veja esta posição mesquinha de um Nobel: escorraçar um simples aluno mal saído do ginásio, tudo porque ele, o bonitão, levou um dizá do Blair e ainda não assimilou o golpe. Era pra ele estar agora que nem pinto no lixo, forçando o príncipe e a rainha a puxarem o saco do Putin. Exatamente o papel no qual estão se empenhando França e Alemanha, via BRICS. Sei disso porque tenho testemunho de uma pessoa que foi à França em reuniões políticas (de baixo escalão) e saiu de lá abismada com o puxa-saquismo com que os franceses de repente começaram a tratar a comitiva quando se tocaram que se tratava de políticos brasileiros.

Mas antes que algum incauto dê o Brasil por vencedor, é bom que saiba que isso é só uma estratégia de camuflar que os pequenos dos BRICS são meros hostess do bloco russo-chinês. É, hostess, aquelas hermafroditas que ficam na porta da boate esperando o cliente. Não se enganem: esse é o status do Brasil hoje perante o mundo. É que não ia pegar bem uma reunião da União Europeia com a Rússia para tratar de grana. Daí eles e o chinas, através dessa cortina suja chamada BRICS, espalharem contratos inúteis e multibilionários pela Índia, Brasil e por onde mais dê pra UE se prostituir sem fazer alarde. Tipo um estadiozinho aqui, um trem-bala superavaliado ali, contratos de pedágio, expropriações imobiliárias, caças de tecnologia duvidosa…

Só pra tirar a limpo a dúvida que paira sobre quem acaha que eu tô curtindo uma de molecagem neocon, vai um abraço direto da Rússia:

As vantagens do Brasil no BRICs

Relação UE-Rússia deve melhorar no âmbito econômico em 2013

Bom, como qualquer um idiota pode perceber, quem manda nessa porra aqui é a boa e velha KGB; a União Europeia não tá tão assim no esquemão americano; a Alemanha tá comendo na mão da elite russa. Qualquer zé ninguém minimamente informado, tipo eu, sabe disso: o único europeu que ainda tem alguma autonomia nesse mundo é a Inglaterra, graças a dona Margareth Thatcher – e ao Tony Blair, que fez o favor de baixar a bola e seguir alguns conselhos da velha. Mas vem lá o seu Paulo Nogueira, alquebrado nas suas más intenções, sem criatividade nenhuma, e mistura o dever-de-casa que passaram pra ele com a velha ladainha da “mídia tradicional” e anti-americanismos.

Porra, já deu esse papo, cara. Parem de enganar o leitor de vocês, saiam daí, SAIAM DAÍ! Parece que eu tô nos anos 90 lendo panfleteiros de bonde. Vocês apoiam o Chávez, cara… vão pra puta que pariu, ou melhor, vão pra China. Vocês são uma doença social. Vocês deveriam estudar seus erros, e no manicômio. Essa ideia de girico de cultuar as drogas e o banditismo deixou todo mundo de mãos atadas. Hoje ninguém pode apanhar um ônibus sem se sentir ameaçado, tem toque de recolher em periferia, são 100.000 homicídios todo ano, pra não dizer o nível caótico de assaltos, estupros e outras cagadas. Vocês são os ideólogos disso.

Hegemonia cultural – ou, O Grande Truque

Esses neo-revolucionários são foda mesmo, hein? Às vezes a gente tem que tirar o chapéu, o trabalho dos caras é incessante. Acho que eles passam as 24 horas do dia que Deus dá elaborando maneiras de entronizar fatos sociais no movimento. Para isso eles se valem da ignorância ampla, geral e irrestrita que domina o Brasil e de alguns truquezinhos manjados.

Por exemplo, vi um panfleto virtual atribuindo o fim da escravidão e o voto feminino “à luta”. Veja que isto obedece a uma cronologia preliminar. Primeiro os negros foram libertados, depois as mulheres. Na sequencia lógica, lá está o movimento gay, lutando em prol do futuro da humanidade.

Só que os caras que libertaram os negros eram latifundiários cristãos. Já o voto feminino veio de mulheres ligadas ao Partido Trabalhista inglês que, apesar de se posicionar à esquerda do Partido Conservador, se assumiu thatcherista em 95 e não admite sequer ex-comunas em suas cadeiras. Aliás, as feministas do fim do século XIX se apoiavam em Locke, precursor do liberalismo econômico. Pra esse pessoal não tinha essa de Marx, não existia movimento, direitos constitucionais não viravam princípios universais.

Agora, o movimento gay, ele não tem nada a ver com gay, porra. Vocês tão servido de lacaios político-partidários. Por que vocês acham que existem não-gays no movimento gay? Por que vocês acham que esses caras odiavam o Clodovil?

– É porque eles menosprezam quem não está afeito ao partido. Gay, preto, japonês, tanto faz: quem não for do partido, pra eles, já tá errado. Os caras passam o dia inteiro falando do tal do Marcos Feliciano, mas não compartilharam uma vírgula da entrevista que ele diz que a mãe dele é negra, revela um tufo de cabelo pichaim, e diz que prefere alisado. Essas coisas não aparecem. Essa é a prática da boa e velha edição. Acho que tem alguém na MTV cujo ganha-pão é assistir cultos do Feliciano e editar a gosto do freguês. Agora eu duvido muito que não haja neste planeta um comunista que alise o cabelo.

Bem, e que tal partido é esse? É o mesmo de sempre, o nosso velho conhecido Partidão: as agremiações socialistas, ateus militantes, comunistas, enfim, marxistas em geral e seus cupinchas de todas as classes e arrebites. Vocês não viram o Zé de Abreu? Rico, artista global, comuna ferrenho. A celebridade que, hoje, melhor tipifica o bicho-grilo de baixo da linha do Equador. Zé é amigo íntimo do Grande Zé, o Dirceu. Na entrevista, fez o papel esperado pelo Aguinaldo Silva: encheu a boca pra falar mal do sistema enquanto se lambuzava num ossobuco de 84 reais. Foi qualificado na matéria como “pseudo-bissexual” – vai saber que diabo é isso. Enfim, é um esquerdóide ordinário e assumido, como ele mesmo diz, “um porra-loca” que se orgulha de ter sido um dos 700 que foram presos junto com o Zuenir em Ibiúna, e de ter apoiado a luta armada. Pois seu Zé deu com a língua nos dentes com um fato que eu já citava de passagem lá no meu TCC: a Globo tá cheia de comuna. Até onde eu pesquei, desde o Dias Gomes que a dramaturgia brasileira – em todos os níveis – vem sofrendo essa constante e implacável doutrinação.

Não sei se eu tô me fazendo entender… acho difícil, dado o número de reclamações que vem aumentando contra este blog e à minha pessoa. Mas, em resumo, é o seguinte: esse pessoal acha MESMO que quem não compactua com a ideologia deles é um mero apedeuta que deve ter sua história aviltada, seus pecados expostos em público e seu pensamento menosprezado.

Outro dia um maluco me acusou de ser um esquerdopata. Depois veio o discurso de que eu não tinha preparo pro novo mundo, que será mais heterogêneo e blablabla. Sem essa. O tal do Novo Mundo vai chegar, o pokemon coreano vai soltar o seu pikachu em Nova York e eu vou continuar fazendo parte da realidade: forte, impávido e colosso. Ou a ideia é emparedar quem não lhe agrada e estamos todos num jogo elaborado pelo Pedro Bial? Isso que eu chamo de heterogeneidade, hein? Diferente do Manual do Acadêmico Doutrinado, na faculdade eu tive saco pra encarar teóricos frankfurtianos e hoje nutro uma enorme admiração pelo Graciliano Ramos. Embora não concorde com as posições políticas que ele vai tomando ao narrar suas histórias, é impossível não admitir que o cabedal léxico de que ele lança mão é uma covardia, uma humilhação para qualquer um que se meta a escrever em português hoje – à esquerda ou à direita. Inversão de perspectivas inadmissível numa cabecinha solapada pela hegemonia cultural esquerdista, cuja bibliografia ignora até Ortega y Gasset.  Ah, a título de curiosidade, o livro de cabeceira do Graciliano (ateu assumido e comunista que figurava até nas Internacionais) era a Bíblia Sagrada.

Xaudadis do Orkut

Quem diria.

Pelo menos em lugares como MSN, fotolog e Orkut a presença de patrulheiros ideológicos não era tão cansativa.

As picuinhas entre municípios, cardápios espirituais e demais babaquices se restringiam ao Verdade Oculta, algumas comunidades e àquelas correntes idiotas na caixa de e-mail. Eu parecia mais feliz e despreocupado com a obrigação de ter que desmentir a quantidade feroz de sofismas em forma de ladainha que agora chegam continuamente, como se eu estivesse sendo vítima de uma lavagem cerebral tão intensa quanto chinfrim. Pra mim, não é difícil se livrar disso, só é chato pra caralho, ocupa um certo tempo.

Mas não posso fazer muita coisa, me restrinjo a ter pena de quem pegou o bonde andando e não se tocou que tuite & feicebuqui são modernos laboratórios de dogmas, do tipo itinerante. É um fenômeno absolutamente exagerado e enfadonho. E é óbvio que é só mais uma patética disputa de poder. A inseparável falta de lógica das propostas feministas tem reduzido nossos colhões a pó. As mentiras típicas dos movimentos sociais se arrogaram no lugar das bundas ilusórias do axé dos anos 90. Quer dizer, a coisa ficou mais complexa e degringolou. Putas viram virgens, velhinhas se chupam, big brothers legislam em meu nome e as namoradas do Hugh Hefner invadem igrejas pra cantar punk. A merda da MTV faz campanha contra drogas e no mesmo comercial põe um veadinho cocainômano pra despejar um quilo de obviedades na nossa cara.

Em prol da minha saúde mental, ignoro solenemente muita coisa, não dá pra se manter são sob o peso das histerias que militam no feice, muito menos com esses agnosticismos à gogo. Quando preciso ouvir algo realmente profundo sobre meus deslizes, me dirijo até a paróquia mais próxima e lá ouço a voz das minhas culpas no bom e velho sotaque calabrês. Sinceramente, é bem mais reconfortante do que ser expiado por ilustres desconhecidos que, no mais das vezes, pregam o livre-arbítrio confundindo liberdade com toda a sorte de vícios que abundam sob o signo da moda.

como a arte pop…

como a arte (?) popular é muito mais pose & demagogia do que talento, é claro que a Joelma já pode se dar por acabada no mundo do show business. Vai tarde.

sequência lógica: virar a monga da Quadrangular